Ainda sobre o tema capacidade falemos agora sobre o impacto do preço dos ingressos na demanda dos jogos. Primeiro um exercício básico de economia. Precisamos saber sobre demanda elástica e inelástica, ou seja, se ela é ou não sensível ao preço. Não há um estudo sequer sobre a elasticidade (sensibilidade) da demanda com relação aos estádios, portanto, essa análise será baseada em casos. Começando com a seguinte pergunta: quanto vale ir ao Santiago Bernabéu assistir a um jogo do Real Madrid na Liga, ou quanto vale ir assistir no mesmo estádio só que no dia 22 de maio agora (final UCL)?

Viram? O fator JOGO é mais importante que preço. E as pessoas não medem esforços para estarem presentes, ou seja, pagam o que for.  E os clubes devem aproveitar a oportunidade. Mas e quando não há super-jogos sendo realizados que criam tais expectativas? Neste momento o fator PREÇO pesa, porém, se tiver adiantado boa parte dessa receita com os carnês (season ticket) você pode subir o seu preço-médio, criar ações para atrair o torcedor, sortear cadeiras, etc.. O interessante nesta questão é que você pode atrair o torcedor para outros serviços e “de quebra” assistir ao jogo “comum”. O mais importante de tudo é trazer ele para Arena.

Ok. Tema encerrado. Não há muito que dizer. Perceberam um tom elitista no texto? Pois bem, vamos tratar disso agora…

Todos temos medo que após a construção da Arena, o povo ficará longe do Palestra (e tantos outros estádios pelo Brasil), assim sendo, elitizado. Bom, isso depende apenas dos gestores dos clubes. O que eu disse no post anterior, sobre o choque de cultura, realmente deve acontecer. Porém, ainda vivemos num país desigual. E massa deve participar, porque é ela que vai aos jogos. Mas para o bem-estar financeiro das Arenas, essa massa deve ser reduzida. E deve-se dar oportunidade para a demanda oprimida de hoje (com poder aquisitivo) para poder pagar bem pelo jogo que vai assistir, pela comida que quer comer, pelos produtos do clube em lojas, etc.

Por isso, devemos transformar o conceito ELITIZAÇÃO em SETORIZAÇÃO. Devemos SETORIZAR os estádios para que todos tenham a oportunidade de participar. Porém, aquele que paga mais verá de uma cadeira melhor que aquele que paga menos. Não adianta remar contra a maré. Isso acontecerá. Tentem comprar um ingresso para um jogo do Benfica, Barcelona, Real Madrid, vejam como é feita essa setorização.

Vou deixar como reflexão o seguinte dado: Na Inglaterra segundo dados publicados pela Premier League na temporada 2007-08 as classes A, B e C1 representaram 75% do publico nos estádios e um outro dado interessante sobre o futebol inglês é que a renda média do torcedor que freqüenta os jogos da Premier League é cerca de 40% superior a média da população inglesa.

Distribuição por Renda- Torcedores da Premier League- 2007-2008
Classes:
AB: 43%
C1: 32%
C2: 16%
DE: 9%

Deixo também o excelente post sobre o assunto no blog Futebol & Negócio. Escrito por pessoas que possuem mais capacidade técnica que este palmeirense que vos escreve.

Até breve!